Chapter 5:

O Calendário que os Apóstolos Guardaram

This post is also available in: English Español Deutsch Indonesia српски Français Nederlands

A Igreja Romana usa o calendário romano, no qual o dia começa à meia-noite. Em contraste, o dia hebraico começa à noite. Por exemplo, Gênesis 1:31 diz:

B’reisheet (Gênesis) 1:31                                                                                                    31 E foi a tarde e a manhã do sexto dia.

Levítico 23 confirma isso, mostrando-nos que o dia hebraico dura de uma tarde a outra.

Vayiqra (Levítico) 23:32
32 “No nono dia do mês, à tarde, de uma tarde à outra tarde, observarás o Sabbath.

A Igreja Romana justifica a sua adoração no domingo, Natal e Páscoa citando erroneamente certas passagens da Aliança Renovada (Novo Testamento). Uma dessas passagens é Actos 20: 7-12.

Ma’asei (Actos) 20:7-12

7 No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite.
Havia muitas lâmpadas no cenáculo onde estávamos reunidos.                                    8 Um jovem, chamado Êutico, que estava sentado numa janela, adormecendo profundamente durante o prolongado discurso de Paulo, vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo e foi levantado morto.                                                                     9 Descendo, porém, Paulo inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a vida nele está.                                                                                        10 Subindo de novo, partiu o pão, e comeu, e ainda lhes falou largamente até ao romper da alva.                                                                                                                     11 E, assim, partiu.                                                                                                               12 Então, conduziram vivo o rapaz e sentiram-se grandemente confortados.

De acordo com a igreja, os discípulos se reuniram no domingo de manhã para o pequeno almoço, ouviram Shaul (Paulo) até meia-noite (quando Êutico caiu pela janela), comeram uma refeição depois da meia-noite e continuaram a reunião até ao amanhecer (segunda-feira). Até poderia fazer sentido, mas por que havia tantas lâmpadas no cenáculo durante o dia, e também por que eles saltaram o almoço e o jantar?

Por outro lado, se percebermos que os apóstolos ainda mantinham o calendário hebraico original, de repente tudo faz sentido. O costume judaico é adorar na sinagoga (ou no templo) no sábado e, em seguida, reunir-se na casa de um amigo após o pôr do sol. Ao se reunir para esta festa após o sábado, o povo judeu geralmente compartilha uma refeição comunitária. Isso é chamado de partir o pão. Se os discípulos se reunissem após o fim do sábado (logo após o pôr do sol) e jantassem juntos, isso explicaria por que precisavam de tantas lâmpadas. Também deixaria claro que eles estavam desfrutando de um tempo tradicional de adoração e celebração judaica.

Este mesmo tipo de comunhão pós-sábado também é registrado no livro de João.

Yochanan (João) 20:19
19 Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!

Yeshua foi morto no festival de primavera da Páscoa. Na época em Jerusalém o tempo já está ameno, o lógico seria deixar as portas abertas. No entanto, como havia perseguição, os discípulos fecharam as portas.

Por que a Igreja Cristã usa estas passagens para justificar a adoração no domingo, quando o livro de Atos diz que o costume do apóstolo Shaul era ir às sinagogas judaicas no sábado?

Ma’asei (Atos) 13:14-16
14 Mas eles, atravessando de Perge para a Antioquia da Pisídia, indo num sábado à sinagoga, assentaram-se.
15 Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a.                16 Paulo, levantando-se e fazendo com a mão sinal de silêncio, disse: Varões israelitas e vós outros que também temeis a Deus, ouvi.

A igreja ensina que Shaul percorreu o mundo conhecido, tirando judeus das sinagogas e plantando igrejas dominicais. Mas como eles apóiam essa afirmação? Shaul começou uma nova assembleia quando foi expulso da sinagoga (farisaica) em Corinto e estabeleceu uma assembleia nazarena na porta ao lado – mas eles também se reuniam no sábado.

Ma’asei (Atos) 18:5-8
5 Quando Silas e Timóteo desceram da Macedônia, Paulo se entregou totalmente à palavra, testemunhando aos judeus que Yeshua é o Messias.                                        6 Opondo-se eles e blasfemando, sacudiu Paulo as vestes e disse-lhes: Sobre a vossa cabeça, o vosso sangue! Eu dele estou limpo e, desde agora, vou para os gentios.                                                                                                                                   7 Saindo dali, entrou na casa de um homem chamado Tício Justo, que era temente a Elohim; a casa era contígua à sinagoga.                                                                             8 Mas Crispo, o principal da sinagoga, creu em Yahweh com toda a sua casa; também muitos dos coríntios, ouvindo, criam e eram imergidos [batizados].

Embora Shaul tenha fundado uma nova assembleia em Corinto, ela não teria sido chamada de “igreja” – provavelmente foi chamada de sinagoga ou kehillah (assembléia). Mais importante, esta assembléia se reunia no sábado, assim como o nazareno que eles seguiram havia feito.

Luqa (Lucas) 4:16
16 Indo [Yeshua] para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.

Na versão  King James (KJV) é usada a palavra “easter” em Actos 12: 4, simplesmente porque os tradutores da versão King James traduziram incorretamente a palavra grega Pascha (Páscoa) como “Easter”.

Ma’asei (Actos) 12:4
4 Tendo-o feito prender, lançou-o no cárcere, entregando-o a quatro escoltas de quatro soldados cada uma, para o guardarem, tencionando apresentá-lo ao povo depois da Páscoa [easter na KJV, passoverseria o correcto].

Todas as versões principais desde a King James Version corrigiram este erro.

Existem várias outras referências à Páscoa no Pacto Renovado. Tudo isso demonstra que os apóstolos ainda mantinham o calendário hebraico, mesmo muitos anos após a ascensão de Yeshua.

Ma’asei (Actos) 20:6
E navegámos após os dias dos pães asmos [i.e., Páscoa].           

Muitas referências também nos mostram que os apóstolos continuavam a observer o Pentecostes.

Qorintim Aleph (1 Coríntios) 16:8
Mas eu permanecerei em Éfeso até ao Pentecostes.           

Ainda era Pentecostes no calendário hebraico, porque Shaul estava com pressa para observar esse festival em Jerusalém (ao invés de Roma).

Ma’asei (Actos) 20:16
16 Porque Paulo já havia determinado não aportar em Éfeso, não querendo demorar-se na Ásia, porquanto se apressava com o intuito de passar o dia de Pentecostes em Jerusalém, caso lhe fosse possível.

Os apóstolos também guardaram o Dia da Expiação em Actos 27: 9. É aqui chamado de “o Jejum”, porque os judeus tradicionalmente o observam por meio do jejum.

Ma’asei (Actos) 27:9
9 Depois de muito tempo, tendo-se tornado a navegação perigosa, e já passado o tempo do Dia do Jejum, admoestava-os Paulo,

Mesmo que a palavra “Jejum” seja traduzida perfeitamente do grego para o inglês, pode-se facilmente perder o facto de que os apóstolos ainda se guiavam pelo calendário hebraico, se alguém não perceber que os apóstolos escreviam em vernáculo.

Não é certo mudar o calendário assim, porque o calendário faz parte da Torá – e Yeshua disse para não pensarmos que ele veio para destruir a Torá ou os Profetas.

Mattityahu (Mateus) 5:17-19
17 “Não pensem que vim para destruir a Torá ou os Profetas. Não vim para destruir [los], but [apenas] para cumpri-los.                                                                                  18 Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.
19 Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus”.

No entanto, enquanto Yeshua disse claramente para não pensar que Ele veio para destruir a Torá ou os Profetas, muitos cristãos acreditam que Ele fez exatamente isso. Eles dizem que pelo facto de Ele guardar as festas, Ele cumpriu as festas e, portanto, as festas agora acabaram (foram cumpridas). Mas se você acha que seu casamento está cumprido, isso significa que agora ele acabou? Isso nem faz sentido.

Há outros problemas com a versão cristã. Em Lucas 4:18, Yeshua levantou-se na sinagoga e disse que tinha vindo cumprir a primeira parte das profecias em Isaías 61.

Luqa (Lucas) 4:16-19
16 Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.                                                                                 17 Então, lhe deram o livro do profeta Yeshayahu [Isaías], e, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito:                                                                                                   18 O Espírito de Yahweh está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos,                                                                    19 e apregoar o ano aceitável de Yahweh.

No entanto, Ele não disse que tinha vindo para cumprir o Dia da Vingança. A parte que Ele ainda não cumpriu está em Isaías 61: 2.

Yeshayahu (Isaías) 61:2
E o Dia da Vingança do Nosso Elohim.          

Então, se Yeshua veio para cumprir a primeira parte de Isaías 60-61, Ele nunca cumprirá a segunda parte? Além disso, o que acontece com o resto das profecias e a Torá?

A Torá e os Profetas falam da volta de Yeshua – mas se a Torá e os Profetas agora estão destruídos (como dizem os cristãos), então como Ele retornará para Sua noiva?

Se os cristãos estão certos, e a Torá e os profetas foram anulados, então por que Shaul nos diz que os festivais são sombras proféticas de coisas que ainda estão por vir? Isso é o que Colossenses 2:16-17 diz, embora a maioria das pessoas não perceba por causa dos erros na maioria das traduções para o inglês. Por exemplo, a KJV fornece duas palavras (dias e é) em itálico:

Colossianos 2:16-17, KJV
16 Que nenhum homem o julgue na carne, na bebida, ou em relação a um dia santo, ou às luas novas, ou aos dias de sábado:
17 Que são uma sombra das coisas que estão por vir; mas o corpo é de Cristo.

Com a adição dessas duas palavras em itálico, a KJV faz parecer que nunca devemos deixar um irmão nos julgar de acordo com o que comemos ou bebemos, ou que dias reservamos para a adoração. Parece que não faz diferença se mantemos os mesmos dias de adoração que os apóstolos mantinham, ou se guardamos o domingo, a Páscoa, o Natal, o Ramadã ou o Ano Novo Chinês, porque (afinal) o corpo é do Messias. No entanto, a Escritura nos diz que não devemos adicionar ou retirar às Suas palavras – e que se mudarmos Suas palavras, não estaremos a obedecer aos Seus mandamentos, mas aos nossos. Por exemplo,

Devarim (Deuteronômio) 4:2
2 “Nada acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos de Yahweh, vosso Elohim, que eu vos mando.”

Já que não devemos adicionar algo à Sua palavra, vamos retirar as palavras dias e é, e ver que diferença faz. Aqui está a mesma passagem com essas duas palavras omitidas.

Colossianos 2:16-17 (KJV, sem palavras adicionadas)
16 Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou  do sábado,
17 porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém do corpo de Cristo.

Se lermos esta passagem com atenção, veremos que existem três idéias principais mencionadas aqui (1-2-3):

1. Ninguém, portanto, vos julgue pela comida ou pela bebida, ou a respeito de um dia sagrado, ou das              luas novas, ou do sábado.
2. que são uma sombra [profética] das coisas [ainda] por vir                                                                          3. mas o Corpo de [Messias]

Se reorganizarmos o texto para encaixar numa leitura correcta (3-1-2), descobrimos que Shaul realmente disse para deixar o corpo do Messias nos julgar pela comida, pela bebida ou a respeito de um sábado ou dia de festa, porque os festivais são imagens proféticas de coisas que ainda estão por vir.

Qolossim (Colossianos) 2:16-17 (Re-encomendado)
16 Que nenhum homem, mas o Corpo do Messias vos julgue sobre a comida, a bebida ou em respeito aos dias sagrados, o ulus novas, ou sábado,                            17 pois as festas são sombras de coisas [ainda] por vir.

Em vez de nos dizer que os festivais não importam mais (e que podemos fazer o que quisermos), Shaul está realmente dizendo que devemos guardar o sábado, os festivais e os dias de lua nova, porque são sombras proféticas de eventos futuros . Este significado não está refletido de forma alguma na Nova Versão Internacional (NIV), que diz:

Colossianos 2:16-17, NIV
16 Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado.
17 Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo.

A NIV diz que essas sombras proféticas de eventos futuros são todas irrelevantes agora porque eram apenas sombras de coisas que “estavam por vir”. Parece sugerir que a vinda do Messias acabou com todas essas coisas – então, desde que acreditemos que Yeshua é o Messias, não faz diferença o que comemos e bebemos, ou que dias de adoração decidimos manter (se houver). Mas que sentido isso faz? Os apóstolos tinham que estar em Jerusalém durante a festa de Pentecostes no tempo determinado, para que pudessem receber o derramamento do Espírito Santo.

Ma’asei (Actos) 2:1-2
1 Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos num só lugar.                   2 De repente veio do céu um som, como de um vento muito forte, e encheu toda a casa na qual estavam assentados.

Teólogos cristãos dizem que a Torá e os Profetas não foram abolidos imediatamente. Eles dizem que a morte de Yeshua marcou o início de um período de transição de 300-400 anos em que os pais da igreja tiveram a permissão de Yahweh para fazer quaisquer mudanças que quisessem na fé – mudanças que Yahweh nunca havia profetizado, e que estão em total contradição com as Escrituras.

AMOS 3:7
7 Certamente, Yahweh Elohim não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas.

As profecias não dizem nada sobre Yahweh mudar os dias da festa, e é por isso que os apóstolos ainda os mantinham. Eles sabiam que os dias do festival eram imagens proféticas de coisas que ainda estavam por vir. Por exemplo, quando o Espírito foi derramado em Actos 2, este foi um cumprimento profético da entrega da Torá no Monte Sinai – e uma vez que Shaul escreveu Colossenses 2:16-17 após o derramamento em Actos 2, sabemos que haverá outros cumprimentos proféticos também.

Enquanto algumas profecias são cumpridas apenas uma vez (como o nascimento de Yeshua), outras podem ter múltiplos cumprimentos. Esse padrão de repetidos cumprimentos é facilmente visto no exemplo da Festa dos Tabernáculos, também chamada de Festa das cabanas, ou Sucot. Isso foi cumprido quando os israelitas moravam em tabernáculos (ou cabanas) no deserto do Sinai, e então foi cumprido novamente quando Yeshua nasceu. Embora os cristãos nos digam que Yeshua nasceu em 25 de dezembro, a verdade é que Ele nasceu no primeiro dia da Festa dos Tabernáculos, que é por isso que João nos diz:

Yochanan (João) 1:14
14 E o Verbo se fez Carne, e tabernaculou entre nós.

Outras versões dizem “e armou Sua tenda entre nós”, o que significa o mesmo.

O cristianismo ensina que Yeshua nasceu em uma manjedoura em 25 de dezembro, com jumentos e cavalos olhando. Eles afirmam que Ele foi enfaixado e colocado em um berço de feno. Por mais romântica que esta versão pareça, está longe de ser verdade. Visto que o cristianismo não valoriza a língua hebraica, a maioria dos cristãos não percebe que em hebraico a palavra para manjedoura é igual à palavra para tabernáculo, tenda ou estábulo. Assim, o relato do nascimento de Yeshua realmente nos diz que Ele foi colocado em um tabernáculo.

Luqa (Lucas) 2:7
E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o num tabernáculo, porque não havia lugar para eles na estalagem.

Os pais de Yeshua tinham vindo a Jerusalém para o festival de peregrinação, de acordo com o mandamento.

Vayiqra (Levítico) 23:41-43
41 E celebrareis esta festa a Yahweh por sete dias cada ano; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações; no mês sétimo a celebrareis.
42 Sete dias habitareis em tendas [tabernáculos]; todos os naturais em Israel habitarão em tendas;
43 Para que saibam as vossas gerações que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas, quando os tirei da terra do Egito. Eu sou Yahweh vosso Elohim.

José e Miriam (Maria) originalmente pretendiam ficar numa estalagem. A regra rabínica daquela época era a mesma de hoje: qualquer pessoa que estivesse grávida, velha ou doente não tinha que dormir num tabernáculo. Em vez disso, por razões de saúde e segurança, eles poderiam alugar um quarto numa estalagem. Porém, Lucas 2: 7 diz que não havia lugar na estalagem, portanto José e Miriam tiveram que ficar num tabernáculo (tenda/estábulo). Tudo isso aconteceu para que Yeshua pudesse nascer num tabernáculo no primeiro dia da Festa dos Tabernáculos de outono, em cumprimento profético do mandamento.

Embora a igreja nos diga que todas as festas acabaram, e que nunca voltará a ser guardada a Festa dos Tabernáculos, as Escrituras mostram que isso é uma mentira. Existem pelo menos mais dois cumprimentos proféticos da Festa dos Tabernáculos.

Zecharyah (Zechariah) 14:16-17
16 E acontecerá que, todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o Yahweh dos Exércitos, e para celebrarem a festa dos tabernáculos.                                                                               17 E acontecerá que, se alguma das famílias da terra não subir a Jerusalém, para adorar o Rei, o Yahweh dos Exércitos, não virá sobre ela a chuva.

Um quarto cumprimento é também profetizado em Revelação.

Hitgalut (Revelação) 21:3
3 E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Elohim com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Elohim estará com eles, e será o seu Elohim.

Em contraste, a igreja nos diz que “Jesus” nasceu em 25 de dezembro. No entanto, este é um dia de festival romano pagão chamado Saturnália (Bacchanalia). Acontece quatro dias após o solstício de inverno, em homenagem ao renascimento do sol. Os deuses Saturno e Júpiter são nomes alternativos para Lúcifer, então 25 de dezembro é essencialmente o aniversário de Satanás disfarçado.

A Igreja Romana renomeou Saturnália em homenagem ao Messias, mas Yahweh nos avisa para não honrá-Lo com as coisas dos pagãos, ou adicionar ou retirar qualquer coisa da aliança que Ele deu.

Devarim (Deuteronômio) 12:30-32
30 “Guarda-te, que não te enlaces seguindo-as, depois que forem destruídas diante de ti; e que não perguntes acerca dos seus deuses, dizendo: Assim como serviram estas nações os seus deuses, do mesmo modo também farei eu.
31 Assim não farás a Yahweh teu Elohim; porque tudo o que é abominável ao Senhor, e que ele odeia, fizeram eles a seus deuses; pois até seus filhos e suas filhas queimaram no fogo aos seus deuses.
32 Tudo o que eu te ordeno, observarás para fazer; nada lhe acrescentarás nem diminuirás”.

Se os apóstolos tivessem guardado o Natal em 25 de dezembro, isso teria sido registrado em Actos. No entanto, a palavra Natal não é encontrada em nenhuma parte das Escrituras. Além disso, dezembro não é um mês no calendário hebraico, então por que os apóstolos teriam mantido um festival pagão?

Yeshua nos diz que Ele foi preparar um lugar para Sua noiva na casa de Seu Pai.

Yochanan (João) 14:2-3
2 “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
3 E quando Eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.

Se Yeshua é um bom filho, e Ele quer honrar o Seu Pai, porque é que Ele tomaria uma noiva cristã que adora em dias de festivais pagãos que o Seu Pai sempre disse para não guardar?

Porque o faria quando há damas nazarenas com quem ele poderia se casar, que guardam os mandamentos do seu pai?

If these works have been a help to you and your walk with our Messiah, Yeshua, please consider donating. Give