Chapter 4:

Os Dias de Lua Nova

Enquanto o calendário gregoriano romano se baseia nos movimentos do sol, o calendário da Torá baseia-se nos movimentos da lua, e nos ciclos agrícolas na Terra de Israel.

Discutiremos como os ciclos agrícolas na Terra de Israel se relacionam com o calendário da Torá nos próximos capítulos, mas primeiro precisamos de discutir a importância dos Dias de Lua Nova de Yahweh, e os mandamentos que Ele quer que nós façamos neles.

Sempre que um Templo ou Tabernáculo se ergue, Israel deve trazer uma oferta diária de dois cordeiros, juntamente com as suas ofertas de comidas e bebidas associadas.

Bemidbar (Números) 28:2-3
2 “Ordena aos filhos de Israel, e diz-lhes: Da Minha oferta, do Meu manjar para as minhas ofertas queimadas, do aroma agradável para Mim, tereis cuidado de Me oferecer no momento que lhes for designado.
3 E tu lhes dirás: Esta é a oferta queimada que oferecereis a Yahweh: dois cordeiros de um ano perfeitos, dia após dia, como uma oferta queimada regular”.

Para além dos dois cordeiros que Yahweh nos manda trazer como oferta queimada diária, Yahweh manda Israel trazer ainda mais dois cordeiros no Shabbat semanal (para um total de quatro, num dia de Shabbat normal).

Bemidbar (Números) 28:9-10
9 E no Shabbat dois cordeiros de um ano, sem defeito, e dois décimos de uma efa de farinha fina como oferta de cereais, misturada com óleo, com a sua oferta de bebida;
10 esta é a oferta queimada para cada Shabbat, além da oferta queimada regular com a sua oferta de bebida.

As ofertas a serem trazidas são adicionais. Para além das ofertas diárias e/ou do Shabbat, Yahweh diz-nos para trazer ainda mais ofertas no primeiro dia do mês, que veremos é o dia em que a primeira fita crescente da lua nova é avistada.

Bemidbar (Números) 28:11-15
11 “No início dos vossos meses, oferecereis, em holocausto a Yahweh: dois novilhos, um carneiro e sete cordeiros de um ano, sem defeito;
12 três décimos de uma efa de farinha fina como oferta de grão, misturada com óleo, para cada touro; dois décimos de uma efa de farinha fina como oferta de grão, misturada com óleo, para o carneiro;
13 e um décimo de uma efa de farinha fina, misturada com azeite, como oferta de cereais para cada cordeiro, como oferta queimada de aroma agradável, uma oferta queimada a Yahweh.
14 A sua oferta de bebida será metade de um him de vinho para um novilho, a terça parte de um him para um carneiro, e um quarto de um him para um cordeiro; esta é a oferta queimada para cada mês ao longo dos meses do ano.
15 Também será oferecido um cabrito como oferta pelo pecado a Yahweh, além da oferta queimada regular e a sua oferta de bebida”.

A razão pela qual Yahweh requer mais ofertas nos dias de festa é que há mais visitantes ao Templo durante as festas de peregrinação: portanto, é necessário haver mais sacerdotes. Uma vez que há mais sacerdotes presentes no Templo naqueles dias, eles precisam de mais alimentos para os sustentar.

Por vezes pensa-se que o Dia de Lua Nova é um Shabbat de descanso ordenado. No entanto, embora existam muitas razões para acreditar nisso, devemos notar que a Torá não nos ordena que deixemos de trabalhar num dia normal de lua nova.

O Dia de Lua Nova do sétimo mês, no entanto, é diferente. A Lua Nova do Sétimo Mês chama-se Yom Teruá (יוֹם תְּרוּעָה). Embora tecnicamente esta frase se traduza como o ‘Dia do Sopro’ ou o ‘Dia do Grito’, é normalmente chamada o ‘Dia das Trombetas’. Neste dia, todo o Israel deverá cessar o seu trabalho regular, e reunir-se numa reunião apartada.

Bemidbar (Números) 29:1-6
1 “‘E no sétimo mês, no primeiro dia do mês, terá uma reunião apartada. Não deverá fazer nenhum trabalho habitual. Para si é um dia de sopro (as trombetas).
2 Oferecerás um holocausto de aroma agradável a Yahweh: um touro jovem, um carneiro e sete cordeiros no seu primeiro ano, sem defeito.
3 A sua oferta de cereais deve ser farinha fina misturada com óleo: três décimos de um efa para o touro, dois décimos para o carneiro,
4 e um décimo para cada um dos sete cordeiros;
5 também um dos cabritos como oferta pelo pecado, para fazer expiação por si;
6 além da oferta queimada com a sua oferta de cereais para a Lua Nova, a oferta queimada regular com a sua oferta de cereais, e as suas ofertas de bebidas, de acordo com a sua ordenança, como um aroma doce, uma oferta feita pelo fogo a Yahweh”.

Note-se mais uma vez que embora o versículo 1 nos diga claramente para não trabalharmos na lua nova do sétimo mês (Yom Teruá), não existe tal comando paralelo para cessar o trabalho nos dias regulares de lua nova.

Amós 8 é por vezes utilizado para argumentar que os Dias de Lua Nova regulares são também dias de descanso. No entanto, como veremos, Amos 8 não está a falar dos dias regulares de lua nova, mas sim do Yom Teruá.

Yahweh usa frequentemente jogo de palavras como uma espécie de trocadilho. Em Amós 8, Yahweh faz um jogo de palavras entre a palavra “verão” (keitz, קָיִץ), e “o fim” (ha-ketz, הַקֵּץ).

Amós 8:1-6
1 Assim Yahweh Elohim mostrou-me: Eis um cesto de fruta de Verão(קָיִץ).
2a E Ele disse: “Amos, o que vês?” Então eu disse: “Um cesto de fruta de Verão”.
2b Então Yahweh disse-me: “O fim(הַקֵּץ) chegou ao Meu povo Israel. Não voltarei a passar por eles.
3 E os cânticos do Templo serão lamentados nesse dia”, diz Yahweh Elohim; “Muitos cadáveres por toda a parte, serão expulsos em silêncio”.
4 Ouve isto com atenção, tu que esmagas os necessitados, e destrois os pobres da terra,
5 Dizendo: “Quando é que a Lua Nova (Dia) vai passar, para podermos vender cereais? E o Shabbat, para que possamos comercializar trigo?
Tornando o efa pequeno e o shekel grande, falsificando as balanças por engano,
6 Para poder comprar os pobres por prata, e os necessitados por um par de sandálias; Até vender palha de trigo?”

Em primeira leitura, poder-se-ia facilmente concluir que Yahweh estava aborrecido porque o Seu povo comprava e vendia nos dias regulares de Lua Nova. No entanto, precisamos de compreender aqui o jogo de palavras de Yahweh, porque os frutos do Verão (קָיִץ) chegam no final (הַקֵּץ) do Verão, que é quando Yom Teruá é realizado, no sétimo mês. Assim, parece que não foi apenas um Dia de Lua Nova qualquer que Yahweh ficou chateado por o Seu povo ter quebrado, mas Yom Teruá. Portanto, na ausência de qualquer prova mais forte de que o Seu povo não deveria comprar ou vender nos dias regulares de lua nova, não podemos dizer conclusivamente que os dias regulares de lua nova são dias ordenados de descanso de todo o trabalho.

Contudo, mesmo que não sejamos obrigados a cessar o trabalho nos Dias de Lua Nova, ainda há alguma questão sobre se nos é ou não ordenado que nos reunamos. Há quatro passagens específicas nas Escrituras que alguns vêm como prova de que nos vamos reunir regularmente nos Dias de Lua Nova. Olhemos atentamente para cada um deles, porque as provas podem parecer confusas.

A primeira referência à reunião no Dia da Lua Nova encontra-se em 1 Samuel 20:5, onde Davi diz a Jônatas que deve comer à mesa do rei “amanhã”, porque será o Dia da Lua Nova.

Shemuel Alef (1 Samuel) 20:5
5 E Davi disse a Jônatas: “De fato, amanhã é a Lua Nova, e eu não deveria deixar de me sentar com o rei para comer”.

Pode ser que a referência à Lua Nova aqui seja uma referência a Yom Teruá, como foi em Amós 8. Contudo, também é possível que tenha sido costume do Rei Shaul reunir a sua corte nos dias de Lua Nova. Seja como for, não podemos provar a exigência da Torá para nos reunirmos nos dias de Lua Nova, pois a Torá não nos ordena que descansemos num dia normal de Lua Nova.

A segunda passagem que sugere uma possível necessidade de reunião nos dias regulares de lua nova encontra-se em 2º Reis 4:22-23.

2 Reis 4:22-23
22 Então ela chamou o seu marido, e disse: “Por favor, envie-me um dos jovens e um dos burros, para que eu possa correr para o homem de Elohim (Eliseu) e voltar”.
23 Então ele disse: “Porque é que vais ter com ele hoje? O dia não é nem uma lua nova, nem um Shabbat”.
E ela disse: “Shalom (Vai correr bem)”.
(22) וַתִּקְרָא אֶל אִישָׁהּ וַתֹּאמֶר שִׁלְחָה נָא לִי אֶחָד מִן הַנְּעָרִים וְאַחַת הָאֲתֹנוֹת | וְאָרוּצָה עַד אִישׁ הָאֱלֹהִים וְאָשׁוּבָה:
(23) וַיֹּאמֶר מַדּוּעַ אתי [אַתְּ קרי] הלכתי [הֹלֶכֶת קרי] אֵלָיו הַיּוֹם לֹא חֹדֶשׁ וְלֹא שַׁבָּת | וַתֹּאמֶר שָׁלוֹם

O marido da mulher de Shunem perguntou-lhe porque queria ir ver Eliseu, visto que não era “uma” lua nova, nem Shabbat. Se ele se tivesse referido à “lua nova”, poderíamos assumir que estava a falar do Yom Teruá. No entanto, uma vez que observou apenas que não era “uma” lua nova, poderia ser que fosse um costume do povo reunir-se nas luas novas. Contudo, não podemos concluir a necessidade de nos reunirmos nos dias regulares da Lua Nova, uma vez que a Torá não nos ordena que nos reunamos no Dia da Lua Nova.

A terceira referência ao encontro no Dia da Lua Nova encontra-se nas profecias em Ezequiel. Isto apresenta um caso interessante, porque parece indicar a necessidade de se reunir no portão oriental do Templo em Shabbat e nos dias de Lua Nova, embora a Torá não nos dê atualmente tal exigência.

Ezequiel 46:1-3
“Assim diz o Mestre Yahweh: “A porta do pátio interior que está virada para o leste será fechada nos seis dias úteis; mas em Shabbat será aberta, e no dia da Lua Nova será aberta.
2 O príncipe deve entrar pelo vestíbulo da porta a partir do exterior, e ficar junto ao poste da porta. Os sacerdotes preparam o seu holocausto e as suas ofertas de paz. Ele adorará no umbral da porta. Então sairá, mas a porta não será fechada até ao anoitecer.
3 Do mesmo modo, o povo da terra adorará à entrada desta porta em Shabbat e nas Luas Novas na presença de Yahweh.
(1) כֹּה אָמַר אֲדֹנָי יְהוִה שַׁעַר הֶחָצֵר הַפְּנִימִית הַפֶֹהּנֶה קָדִים יִהְיֶה סָגוּר שֵׁשֶׁת יְמֵי הַמַּעֲשֶׂה | וּבְיוֹם הַשַּׁבָּת יִפָּת יִפָֹםֵחַ וּבְיוהַח ּתֹדֶשׁ יִפָּתֵחַַ:
(2) וּבָא הַנָּשִׂיא דֶּרֶךְ אוּלָם הַשַּׁעַר מִחוּץ וְעָמַד עַל מְזוּזַת הַשַּׁעַר וְעָשׂוּּ הַכֹּהֲנִים אֶת עוֹלָתוֹ וְאֶת שְׁלָמָיו וְהִשְׁתַּחֲוָה עַל מִפְתַּן הַשַָּאׁעַר וְיָצַ | וְהַשּהָעׁעַר לֹא יִסָּגֵר עַד הָעָרֶב:
(3) וְהִשְׁתַּחֲווּהָא עַם ַָרֶץ פֶּתַח הַשַּּׁעַר הַהוּא בַּשׁבְנְנְנָּתוֹת וּבֶחֳדָשִׁים | לִפְנֵי יְהוָה

O versículo um diz-nos que a Porta Oriental será fechada nos seis dias úteis, mas que será aberta em Shabbat, e no dia da Lua Nova. Mas por Ezequiel contrastar o Shabbat e a Lua Nova com os seis “dias úteis”, parece que os dias de lua nova serão ordenados dias de descanso durante o futuro. Isto é ainda reforçado pelo fato de nos ser dito que o povo da terra terá de se reunir frente a Porta Oriental cada Shabbat, e nas Luas Novas. Parece que a única forma de isto ser possível é se as pessoas não tiverem de trabalhar em Shabbat e nos dias de lua nova.

Não é claro porque é que Ezequiel nos daria a exigência de nos reunirmos nas Luas Novas no futuro, quando a Torá não nos exige que nos reunamos agora. No entanto, Isaías 66,23 dá-nos uma segunda testemunha de que no futuro, todo o Israel será obrigado a reunir-se perante Ele nos Dias da Lua Nova.

Isaías 66:23
23 E será que do Dia da Lua Nova ao Dia da Lua Nova, e de Shabbat em Shabbat, toda a carne virá a adorar perante Mim”, declara Yahweh.
(23) וְהָיָה מִדֵּי חֹדֶשׁ בְּחָדְשׁוֹ וּמִדֵּי שַׁבָּת בְּשַׁבַּתּוֹ | יָבוֹא כָל בָּשָׂר לְהִשְׁתַּחֲוֹת לְפָנַי אָמָנָה אָמַר יְהוָה

No último capítulo vimos que o tempo do Shabbat é determinado por uma “contagem de sete”. No entanto, todos os outros tempos de Yahweh são determinados com base nos dias de lua nova. Por exemplo, Pésah deve ser celebrado catorze dias após a declaração da lua nova do primeiro mês (Êxodo 12:6). Yom Kippur, ou o Dia da Expiação, terá lugar no décimo dia após Yom Teruá (a Lua Nova do Sétimo Mês) (Levítico 23:27). Uma vez que o tempo destas festas é baseado no tempo das luas novas, se as luas novas forem declaradas no dia errado, o tempo de todas as outras festas também estaram erradas.

Yahweh indica as vezes em que Ele quer encontrar-se com a sua futura noivam, Israel. Agora, se o nosso Noivo tem um encontro connosco, mas nós não mostramos por que, por alguma razão ou outra não estamos a prestar atenção ao Seu calendário, o que é que Ele vai pensar? Será que queremos marcar um encontro com o Rei do Universo?

Uma vez que a declaração da Lua Nova é tão essencial para saber quando celebrar as festas de Yahweh, precisamos de saber como Yahweh quer que determinemos a Lua Nova, para que possamos encontrar-nos com Ele nas alturas que Ele designar. Por conseguinte, vamos dedicar algum tempo a aprender sobre os Dias de Lua Nova, para termos a certeza de que estamos a fazer as coisas de acordo com a vontade de Yahweh.

De acordo com a astronomia moderna, pensa-se que uma lua é “nova” quando se encontra na linha entre o sol e a terra (na posição das 3 horas, acima). Quando a lua está neste tipo de alinhamento linear, diz-se que a lua está “em conjunção” em relação à terra.

Para olhar para ela de outra forma, quando a lua está em conjunção, a lua senta-se na mesma direção geral a partir da terra que o sol. A razão pela qual a lua não é visível é porque está ‘conjugada’ com o sol (e daí o nome, ‘conjunção lunar’).

Um eclipse solar total é um tipo de conjunção lunar. Um eclipse solar total ocorre quando a lua se situa diretamente entre o sol e a terra, bloqueando a luz do sol. No entanto, a lua não tem de eclipsar o sol para se qualificar como uma conjunção.

Mais uma vez, a razão pela qual não temos um eclipse solar total todos os meses é que as órbitas da terra, do sol e da lua não são perfeitamente planas e paralelas. Em vez disso, sentam-se em ângulos um ao outro.

Como mostrado no diagrama da página anterior, a razão pela qual a conjunção lunar não pode ser vista da terra é que a luz do sol reflecte de volta para o sol. No entanto, como a lua continua a orbitar a terra (no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio na ilustração anterior), logo atinge uma posição (a meio caminho entre as 2 e as 3 horas na ilustração anterior) onde parte do lado brilhante da lua pode agora ser vista da terra, ao entardecer. Esta fina reflexão é chamada a Primeira Fita Crescente da Lua Nova, e esta é a Lua Nova da Escritura.

No quadro abaixo, a Lua Nova corresponde à quarta linha a partir do topo, e a terceira ou quarta moldura a partir da esquerda. exatamente quão brilhante a lua tem de se tornar antes de poder ser vista da terra tem a ver com uma variedade de fatores, incluindo nuvens, tempo, poeira no ar, e outros fatores que afectam a visibilidade.

Uma vez que a primeira fita crescente da lua nova possa ser vista da terra, é declarado o Dia da Lua Nova.

O gráfico acima dá-nos uma progressão típica das fases da lua ao longo de semanas. A primeira foto (no canto superior esquerdo) mostra a lua no seu primeiro quarto, com uma iluminação de 50%. Oito dias mais tarde a lua está cheia, com 100% de iluminação. Depois, aproximadamente sete dias mais tarde, a lua passa ao seu último trimestre, com uma iluminação ligeiramente superior a 50%. Finalmente, cerca de mais sete dias e a lua volta a mover-se em conjunção, e não pode ser vista, porque toda a luz do sol se reflete para trás do lado distante. (Isto é por vezes chamado “sem lua”). Oito dias depois está de novo no seu primeiro trimestre, embora neste gráfico esteja a um pouco mais de 50%.

Note-se que há pelo menos dois dias no gráfico acima em que a lua está visivelmente “cheia”. Há também dois dias em que a lua está em conjunção (ou seja, não é visível). Isto é bastante normal, e sublinha a razão pela qual é tão importante estabelecer o Dia de Lua Nova de acordo com o avistamento da primeira fita crescente visível.

Porque o sol, a lua e a terra não têm órbitas perfeitamente circulares, e porque as suas órbitas se situam todas em ângulos relativos umas às outras, o número de dias em que a lua está em conjunção ou está visivelmente “cheia” pode flutuar em qualquer lugar entre 1,5 a 3,5 dias. Por isso, se fossemos hipoteticamente basear o Dia da Lua Nova fora da conjunção lunar, ou teríamos de celebrar o Dia da Lua Nova durante 1,5 a 3,5 dias, ou então teríamos de escolher um destes 1,5 a 3,5 dias conjuntivos como ‘o’ Dia da Lua Nova. Isto seria impossível de fazer, porque a Escritura não nos dá critérios para o fazer.

 

solstício de equinócio

A razão pela qual a duração da conjunção flutua entre 1,5 a 3,5 dias é que a terra não só se move numa órbita elíptica, mas também se senta num ângulo enquanto orbita o Sol (acima). Todos os corpos celestes se movem em elipses imperfeitas, e isto faz com que o comprimento das conjunções lunares cresça cada vez mais longo e mais curto com o tempo.

Note-se, contudo, que Yahweh não nos manda celebrar a Lua Nova durante 1,5 a 3,5 dias, mas sim celebrar o Dia da Lua Nova num só dia. Por conseguinte, precisamos de saber como estabelecer qual é o dia de Lua Nova.

Em 1ª Samuel 20:5, Davi disse a Jônatas que o Dia da Lua Nova era “amanhã”. Isto diz-nos que Davi não acreditava que o Dia de Lua Nova tivesse durado entre 1,5 a 3,5 dias, mas que sabia que se tratava de um acontecimento singular, a ter lugar num único dia.

Shemuel Alef (1 Samuel) 20:5
5 Então Davi disse a Jônatas: “Eis que amanhã é a Lua Nova, e eu devia sentar-me para comer com o rei. Mas deixem-me ir, para que me possa esconder no campo até à terceira noite”.

Porque Yahweh nos manda celebrar o Dia da Lua Nova num só dia, deve haver um acontecimento singular que marque o início do Dia da Lua Nova. Como veremos em breve, esse acontecimento singular é o avistamento da Primeira Fita Crescente da Lua Nova na Terra de Israel, seja no dia 29 ou no 30º dia do mês.

O mês hebraico tem normalmente 29 ou 30 dias de duração. Mas porque é que isto acontece? Se a terra estivesse estacionária, a lua faria uma órbita completa de 360 graus sobre a terra aproximadamente uma vez a cada 27,5 dias (em média). Isso significa que se a terra estivesse parada, levaria em média 27,5 dias para a lua voltar ao alinhamento onde a Fita do Primeiro Crescente poderia ser vista da terra. Contudo, como a terra não é estacionária (mas move-se ao redor do sol), tem de viajar mais de 360 graus. Por conseguinte, a lua leva dois dias extra (em média) antes de voltar a um alinhamento a partir do qual a Fita do Primeiro Crescente pode ser novamente vista da terra.

Como a lua tem de viajar durante aproximadamente mais dois dias antes de a Primeira Fita Crescente poder ser vista novamente da terra, são necessários aproximadamente 29,5 dias (em média) para passar de uma Primeira Fita Crescente para a seguinte. Em termos práticos, o que isto significa é que o mês hebraico tem normalmente 29 ou 30 dias; e é por isso que, na noite que termina no dia 29 do mês, os observadores na Terra de Israel saem para fora pouco antes do pôr do sol, e procuram a primeira fita crescente da lua nova no céu. Se virem a Primeira Fita da Lua Crescente, vão dizer ao Sacerdócio no Monte do Templo.

Se o Sacerdócio receber pelo menos dois avistamentos verificáveis no final do 29º dia, declara (ou “santifica”) a Lua Nova. No entanto, se o Sacerdócio não receber pelo menos dois avistamentos verificáveis no final do 29º dia (por qualquer razão), o novo mês é declarado por defeito no final do 30º dia. Isto porque, por definição, um mês hebraico não pode ter mais de 30 dias; e a menos que a Primeira Fita Crescente seja fisicamente avistada no final do 29º dia, presume-se que o mês tenha 30 dias de duração.

O Talmud também dá testemunho disto. Embora o Talmud não seja a Escritura, o Talmud dá-nos um registo histórico das práticas e crenças que os rabinos mantiveram no Segundo Período Templo (que foi o período em que Yeshua viveu e ministrou). Por exemplo, Talmud Tractate Rosh Hashanah (“Cabaça do Ano”) regista os mesmos métodos interrogatório sutilizados pelo Sacerdócio, e conta-nos as perguntas que os sacerdotes fizeram às testemunhas, a fim de verificar se elas tinham visto ou não a Primeira Fita Crescente.

Como é que testam as testemunhas? O par que chega primeiro é testado primeiro. Um deles é trazido e dizem-lhe: “Diz-nos como viste a lua, em frente do sol, ou atrás do sol? Ao norte dela, ou ao sul? Qual era a sua dimensão e em que direção estava inclinada? E qual era a sua largura?” Se ele disser “Em frente do sol”, as suas provas são rejeitadas. Depois disso, trariam o segundo e testá-lo-iam. Se os seus relatos fossem aceites, e outros pares fossem apenas questionados brevemente, não porque fossem exigidos, mas para que não ficassem desapontados, [e] para que não fossem dissuadidos de vir.
[Mishnah, Rosh Hashanah 23b]

A razão pela qual o sacerdócio foi capaz de fazer às testemunhas perguntas tão específicas sobre o aspeto da lua é que, porque a terra se senta no seu eixo num ângulo, os caminhos de voo da lua no Verão e no Inverno são diferentes. Devido a isto, as pontas da primeira lua crescente apontam em diferentes direções em diferentes alturas do ano. No Verão, as pontas apontam mais para a esquerda, enquanto no Inverno, as pontas apontam mais para cima, uma vez que a lua está mais “de costas”.

A lua também aparece maior ou menor no céu, dependendo do local onde a lua se encontra na sua órbita. Se a lua está mais próxima da terra, a lua parece maior; e se a lua está mais distante, parece mais pequena. Embora seja possível que uma testemunha maliciosa possa seguir estas coisas suficientemente bem para falsificar o seu testemunho, é improvável que tal coisa passe regularmente no interrogatório levítico.

É importante notar que no Período do Segundo Templo (ou seja, nos dias de Yeshua), as Luas Novas não foram determinadas por pré-cálculo, mas por avistamento visível. Isto significa que o Calendário Rabínico Judaico (o chamado Calendário Hillel II) não estava em uso na época de Yeshua, visto que baseia o início do seu mês em previsões matemáticas complexas, e não em testemunhas da Primeira Fita Crescente. Também nos mostra que calendários como o Shabbat Lunar e os Calendários da Conjunção Lunar (que começam no mês da Conjunção Lunar) não estavam em uso no dia do Yeshua, porque não se pode usar testemunhas para ver a Conjunção Lunar (porque ela é invisível).

A regra geral é que um mês tem sempre uma duração por defeito de 30 dias, a menos que a Primeira Fita Crescente da Lua Nova tenha sido fisicamente avistada no final do 29º dia, provando que o mês foi mais curto do que o padrão de 30 dias por defeito. No entanto, para ser claro, note-se que é hipoteticamente possível ter um mês com 28 dias, ou mesmo hipoteticamente um mês com 27 dias.

A lua leva em média 27,5 dias para orbitar a terra, e depois mais dois dias em média para voltar à posição de onde pode ser vista da terra novamente. Suponhamos que é Inverno, está nublado na altura em que a primeira fita crescente deve ser avistada. Quando isto acontece, a diferença entre a hora em que a primeira fita crescente teria sido vista, e a hora em que o Dia de Lua Nova foi declarado pela falta de trinta dias cresce meio dia a cada mês. Se isto acontecer três meses seguidos, o tempo esperado até à primeira lua crescente seguinte diminui para 28 dias. Se isto acontecer cinco meses seguidos, o tempo esperado até à primeira lua crescente seguinte diminui para apenas 27 dias.

Declarado por Padrão Atual Diferença Dias
para a Lua seguinte
Não 29.5 0 29.5
30 29.5 0.5 29
30 29.5 1 28.5
30 29.5 1.5 28
30 29.5 2.0 27.5
30 29.5 2.5 27

Felizmente, este tipo de coisas é muito raro, uma vez que a Terra de Israel é ensolarada durante todo o Verão, e é também ensolarada durante metade do Inverno. Porque Israel é tão ensolarado, o calendário se auto correge antes que a discrepância se torne muito grande, e o Dia da Lua Nova é quase sempre declarado no seu tempo.

Alguns estudiosos acreditam que quando há nuvens, devemos declarar a Lua Nova no final do 29º dia, se os cálculos nos disserem que a Primeira Fita Crescente da Lua Nova teria sido visível no final do 29º dia, se não houvesse nuvens. Contudo, os defensores desta teoria reconhecem também que no tempo do Rei Davi, o Dia da Lua Nova foi determinado pela visão visível da Primeira Fita Crescente.

Shemuel Alef (1 Samuel) 20:5
5 Então Davi disse a Jônatas: “Eis que amanhã é a Lua Nova, e eu devia sentar-me para comer com o rei. Mas deixem-me ir, para que me possa esconder no campo até à terceira noite”.

Uma vez que os hebreus não utilizaram cálculos astronômicos modernos no tempo de Davi, a única forma de Davi poder ter dito com certeza que o Dia da Lua Nova era “amanhã” era se a primeira fita crescente não tivesse sido vista no final do 29º dia, assegurando assim que o Dia da Lua Nova seria declarado na sua marca normal de 30 dias por defeito.

Finalmente, para ser completo, devemos discutir o Salmo 81:3. Uma vez que os estudiosos discordam sobre como interpretar esta passagem, utilizaremos aqui o hebraico.

3 Soprar o Shofar no Dia da Lua Nova, no keseh no dia da nossa festa de peregrinação. (4) תִּקְעוּ בַחֹדֶשׁ שׁוֹפָר | בַּכֵּסֶה לְיוֹם חַגֵּנוּ

Os acadêmicos contestam o que é a keseh (כֵּסֶה). Concordança Strong define-o desta forma:

OT: 3677 kece’ (keh’-seh); ou keceh (keh’-seh); aparentemente de OT:3680; propriamente, plenitude ou a lua cheia, ou seja, a sua festa: KJV – (tempo) nomeado.

Quando olhamos para a referência a OT:3680, obtemos uma referência a algo “volumoso”. Isto pode referir-se a uma lua cheia, ou a uma lua na sua plenitude (que é a interpretação correta). No entanto, também recebemos uma referência a algo que está revestido, coberto, ou escondido.

OT: 3680 kacah (kaw-saw’); uma raiz primitiva; adequadamente, para encher, ou seja, encher ocos; por implicação, para cobrir (para vestuário ou segredo):
KJV – revestir-se, fechar, vestir, esconder, cobrir (auto), (fugir para) esconder-se, sobrecarregar. Comparar OT:3780.

Poder-se-ia inferir que a coisa que está vestida, coberta ou escondida é também a lua nova, exceto que uma lua nova não é “gorda”, “gorda encerada”, ou “coberta de carne”, como a referência requer.

OT: 3780 kasah (kaw-saw’); uma raiz primitiva; para cultivar gordura (isto é, ser coberto com carne): KJV – estar coberto. Comparar OT: 3680.

É importante que interpretemos isto corretamente, pois se a palavra keseh significa “lua nova”, então o Salmo 81:3 é o comando para “soprar o Shofar na lua nova da nossa festa de peregrinação (חַג)“. Contudo, isto é impossível, porque não há Dias de Lua Nova que sejam também festas de peregrinação. Isto é porque enquanto Yom Teruá é uma época marcada (מוֹעֲד), não é uma festa de peregrinação (חַג).

Devemos também reconhecer o fato de que não faz sentido pensar que Yahweh usaria a palavra “keseh” (כֵּסֶה) para descrever a Lua Nova, quando Ele apenas usou a palavra Hodesh (חֹדֶשׁ) para a descrever. Por conseguinte, a palavra keseh (כֵּסֶה) deve significar algo mais.

A palavra keseh (כֵּסֶה) não é exatamente uma lua cheia, mas a lua quando está “gorda”, e vestida de luz. Como veremos em capítulos posteriores, isto descreve perfeitamente o Pésah e a Festa dos Tabernáculos, pois são festas de peregrinação, e começam na lua cheia ou por volta dela, quando a lua é geralmente “gorda”, e “volumosa”, e está “vestida de luz”. Portanto, o Salmo 81:3 é a ordem para soprar o Shofar em Pésah, e no Primeiro Dia da Festa de Tabernáculos.

3 Soprar o Shofar no Dia da Lua Nova, na lua cheia, no dia da nossa festa de peregrinação. (4) תִּקְעוּ בַחֹדֶשׁ שׁוֹפָר | בַּכֵּסֶה לְיוֹם חַגֵּנוּ

If these works have been a help to you in your walk with Messiah Yeshua, please pray about partnering with His kingdom work. Thank you. Give