Chapter 2:

Sobre a Mudança do Calendário

Antes de nos lançarmos no nosso estudo sobre o calendário que a Torá nos diz para guardar, primeiro devemos olhar para a história, e ver como foi que os filhos de Israel se afastaram do Calendário da Torá. Esperemos que isto nos ajude a compreender como o erro se pode infiltrar, para que possamos evitar que volte a acontecer.

Como vimos no estudo Israel Nazareno, O Messias Yeshua (‘Jesus’) disse-nos para não pensarmos que Ele tinha vindo para anular a Torá (as Leis de Moisés) ou os Profetas.

Mattityahu (Mateus) 5:17
17 “Não pensem que vim para anular a Torá ou os Profetas. Eu não vim para abolir, mas para cumprir.

Também vimos que mesmo depois da ressurreição de Yeshua, os fiéis ainda tinham de manter o Calendário da Torá original, para que estivessem no lugar certo no momento certo, quando Yahweh derramou as Suas bênçãos sobre aqueles que estavam a manter o Seu calendário. Por exemplo, os apóstolos ainda tinham de guardar o Pentecostes após a ressurreição de Yeshua, para receberem o dom do Espírito.

Maasei (Atos) 2:1-2
1 Ao cumprir-se o Dia de Pentecostes, estavam todos reunidos num só lugar.
2 E de repente veio um som do céu, como de um vento forte e impetuoso, e encheu toda a casa onde eles estavam sentados.

Como veremos mais adiante neste capítulo, o Apóstolo Shaul (Paulo) diz-nos que Yahweh voltará a cumprir estes mesmos dias de festa, no futuro. Tal como Yahweh derramou bênçãos sobre aqueles que estavam a guardar os Seus dias de festa no passado, Ele derramará bênçãos sobre aqueles que estão a guardar os Seus dias de festa no futuro. Se quisermos estar presentes quando essas bênçãos forem derramadas, então só nos resta raciocinar que precisamos de manter o calendário que Ele nos ordena.

Por mais importante que seja manter o Calendário da Torá, pode parecer um pouco mais difícil, e confuso, pelo menos no início. Enquanto a data do calendário ‘cristão’ romano muda à meia-noite (enquanto se dorme), a Torá diz-nos que o dia começa à noite. Por exemplo, Gênesis 1:31b diz-nos que “a noite e a manhã foram o sexto dia”.

Bereshit (Gênesis) 1:31b
31b Assim, a noite e a manhã foram o sexto dia.

Levítico 23:32b confirma que o dia hebraico dura de noite para noite (isto é, do pôr do sol ao pôr do sol), em vez de, da meia-noite à meia-noite.

Vayiqra (Levítico) 23:32b
32b “No nono dia do mês à noite, da noite até ao fim da tarde celebrarão o vosso Shabbat (sábado)”.

O ‘Shabbat’ discutido em Levítico 23:32b (acima) é o Dia da Expiação, mas como todos os dias hebraicos, o Shabbat semanal também dura de noite para noite. Lucas 4,16 diz-nos que Yeshua (‘Jesus’) guardou também este Shabbat, que dura desde o pôr-do-sol até ao pôr-do-sol.

Luqa (Lucas) 4:16
16 Então Ele veio para Nazaré, onde tinha sido criado. E como era Seu costume, entrou na sinagoga no dia de Shabbat, e levantou-se para ler.

Embora muitas igrejas cristãs ensinem que o dia de adoração foi mudado do Shabbat (do pôr-do-sôl ao pôr-do-sôl) para o domingo (de meia-noite à meia-noite) após a ressurreição de Yeshua, vemos que o apóstolo Shaul (Paulo) ainda continuava a ir às sinagogas no dia de Shabbat muito depois da ressurreição de Yeshua.

Maasei (Atos) 13:14
14 Mas quando partiram de Perga, chegaram a Antioquia, na Pisídia, e entraram na sinagoga no dia de Shabbat e sentaram-se.

Algumas das principais igrejas dizem-nos que desde que Yeshua cumpriu perfeitamente a Torá, os dias de adoração e descanso foram mudados do Shabbat e festas hebraicas para o domingo, Natal e Páscoa. No entanto, esta doutrina é curiosa, considerando que as palavras domingo, Natal e Páscoa nunca aparecem nas Escrituras.

Haverá alguma boa razão para adotar dias de adoração que nunca aparecem nas Escrituras? E há alguma boa razão para adotar dias de adoração que nem o Messias nem Seus apóstolos guardaram?

Alguns estudiosos usam Atos 20:7-11 como ‘prova’ de que os discípulos se reuniram no domingo; e isto pode, a princípio, parecer fazer sentido.

Maasei (Atos) 20:7-11
7 Agora, no primeiro dia da semana, quando os discípulos se reuniram para partir o pão, Shaul, pronto para partir no dia seguinte, falou com eles e continuou sua mensagem até meia-noite.
8 Havia muitas lâmpadas no cenáculo, onde estavam reunidos.
9 E numa janela sentou-se um certo jovem chamado Êutico, que estava a afundar-se num sono profundo. Foi dominado pelo sono; e enquanto Shaul continuava a falar, caiu do terceiro andar e foi levado morto.
10 Mas Shaul descendo, inclinou-se sobre ele, e abraçando-o disse: “Não vos perturbeis, pois a sua vida está dentro dele”.
11 E, subindo, e partindo o pão e comendo, ainda lhes falou durante muito tempo, mesmo até ao amanhecer, e assim, partiu.

Uma vez que a Judeia estava sob controlo romano, poderia fazer sentido pensar que os discípulos estavam a manter o calendário romano, no qual o dia começa à meia-noite. Se fosse este o caso, então faria sentido que os discípulos se reunissem no domingo de manhã, ouvissem Shaul durante todo o dia, durante toda a noite de domingo, e até ao amanhecer da manhã de segunda-feira. No entanto, isto não explicaria por que havia tantas lâmpadas na sala superior.

Por que haveria tantas lâmpadas na sala superior, se os discípulos se encontrassem inicialmente numa manhã de domingo? E por que é que só comeriam uma refeição num período de vinte e quatro horas? Estas coisas não fazem realmente sentido.

Os judeus religiosos são um povo muito orientado para a tradição. Durante o Shabbat costumam adorar na sinagoga (ou no Templo), e depois de terminar o Shabbat reúnem-se frequentemente em casa de um amigo ou parente para partir o pão e ter comunhão, de modo a prolongar o dia de adoração e descansar o máximo de tempo possível. No entanto, isto não reflete um novo dia de adoração na “manhã de domingo”, mas é simplesmente uma extensão do Shabbat. Se olharmos para Atos Capítulo 20 sob esta luz, compreendemos que a razão pela qual havia tantas lâmpadas na sala superior é porque se encontraram depois do pôr-do-sol.

Este mesmo tipo de reunião da irmandade pós-Shabbat encontra-se no Livro de João, onde nos é dito que o primeiro dia da semana foi “o mesmo dia (Shabbat) à noite”:

Yohanan (João) 20:19
19 Então, no mesmo dia à noite, sendo o primeiro dia da semana, quando as portas foram fechadas onde os discípulos foram reunidos, por medo dos judeus, Yeshua veio e ficou no meio, e disse-lhes: “A paz esteja com vocês.”

Yeshua foi crucificado em Pésah, no primeiro mês. Israel já pode estar quente nessa altura, e se estivesse quente, então o mais sensato teria sido deixar as portas abertas durante a noite. Contudo, uma vez que havia perseguição, os discípulos fecharam as suas portas. Portanto, a única coisa realmente especial aqui foi o fato de Yeshua ter aparecido. Não reflete um novo dia de adoração.

Mas se os discípulos não foram ensinados a guardar o domingo, o Natal ou a Páscoa, então como é que estas coisas surgiram? Como é que o Calendário original da Torá ‘se deslocou’ para onde está hoje, com tantos cristãos a guardarem dias de adoração e descanso que não estão ordenados em lado nenhum na palavra de Yahweh?

A mais antiga referência conhecida ao culto dominical vem do apologista cristão Justino Mártir, cerca de 150 d.C.

E no dia chamado Domingo, todos os que vivem em cidades ou no campo reúnem-se num só lugar….
[Justino Mártir, Primeira Carta, Capítulo 67 – Culto Semanal dos Cristãos, cerca de 150 d.C., Bíbliasoft]

As Escrituras numeram os dias da semana (primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto, sexto e sétimo), e depois chamam ao sétimo dia “o Shabbat” (a abstenção/ou repouso). Nunca chama a nenhum dia ‘sábado’ ou ‘domingo’. Em contraste com isto, na Igreja Primitiva de Nicéa o Padre Justino Mártir diz-nos que a razão pela qual sua assembleia adorou no domingo (no Calendário Romano) foi que neste dia Elohim (Deus) fez o mundo, e que foi o dia em que Yeshua apareceu pela primeira vez aos Seus discípulos.

Mas o domingo é o dia em que todos realizamos a nossa assembleia comum, porque é o primeiro dia em que Deus, tendo feito uma mudança na escuridão e na matéria, fez o mundo; e Jesus Cristo nosso Salvador, no mesmo dia, ressuscitou dos mortos. Pois Ele foi crucificado no dia anterior ao de Saturno (sábado); e no dia seguinte ao de Saturno, que é o dia do Sol, tendo aparecido aos Seus apóstolos e discípulos, Ele ensinou-lhes estas coisas, que também vos submetemos à vossa consideração.
[Justino Mártir, Primeira Carta, Capítulo 67 – Culto Semanal dos Cristãos, cerca de 150 d.C., Bíbliasoft]

Com todo o respeito, Justino Mártir comete o erro de pensar que Yeshua introduziu o sistema do calendário romano. Note-se também que embora as razões de Justino Mártir para o culto ao domingo possam parecer boas, já vimos que nem o Messias nem os Seus apóstolos tinham o hábito de se reunirem no domingo.

No entanto, como explicamos no estudo Israel Nazareno Yahweh permitiu que a fé nazarena original fosse eclipsada pelo culto dominical durante algum tempo, para que a crença em Yeshua pudesse espalhar-se por todo o mundo muito mais rapidamente. Ao rebaixar temporariamente a fé, e ao ligá-la ao calendário romano, Yahweh permitiu a propagação da fé mais rápido, não só por todo o Império Romano, mas também a outras terras onde o culto ao sol e a adoração de ídolos era comum. Devido ao calendário, e porque os romanos tinham uma história de trazer ídolos e deuses estrangeiros para os seus panteões, o cristianismo romano era muito mais fácil de espalhar do que a fé nazarena original. Com o passar do tempo houve muito mais convertidos ao cristianismo do que convertidos a Israel Nazareno.

Depois, no início dos anos 300, Constantino tornou-se Imperador de Roma, e publicou o seu famoso Édito de Milão, que proclamou oficialmente um grau de tolerância religiosa no seio do Império Romano. No entanto, o Império Romano não estava isento de fricções religiosas. Trezentos anos depois de Yeshua, o Padre Epifânio afirmou que embora os nazarenos ainda guardassem o Shabbat original do sétimo dia, aqueles a quem ele chamou “verdadeiros cristãos” adoravam apenas no domingo, no calendário romano.

“Os nazarenos não diferem em nada essencial deles (ou seja, os fariseus/judeus ortodoxos), uma vez que praticam os costumes e doutrinas prescritos pela lei judaica; exceto que acreditam em Cristo.
“Eles acreditam na ressurreição dos mortos, e que o universo foi criado por Deus. Eles pregam que Deus é Um e que Jesus Cristo é Seu Filho.
“Eles são muito eruditos na língua hebraica. Eles leem a Lei (que significa a Lei de Moshe)… Portanto diferem…dos verdadeiros cristãos porque cumprem até agora (tais) ritos judeus como a circuncisão, (o) Shabbat, e outros”.
[O Padre da Igreja Epifânio, no seu livro doutrinal, “Contra Heresias”, Panarion 29, 7, Página 41, 402].

Uma vez que o Padre Epifânio afirmou que os nazarenos eram “hereges”, sabemos que a Igreja Romana não era amigável para com os nazarenos. Além disso, embora o Império Romano fosse oficialmente tolerante a outras religiões, foi menos de um século depois de Constantino se ter convertido ao cristianismo quando os cristãos romanos começaram a estigmatizar e depois a “desautorizar oficialmente” os nazarenos. A Igreja Romana tinha formalmente rejeitado o Shabbat aproximadamente cinquenta anos antes, cerca de 336 d.C., quando o Imperador Constantino emitiu um édito afirmando que os cristãos não devem “judaizar” descansando no Shabbat, mas que devem descansar no “Dia do Senhor” (i.e., Domingo).

“Os cristãos não devem ‘judaizar’ descansando no sábado; mas devem trabalhar nesse dia, honrando antes o dia do Senhor (‘dia do Sol’), descansando, se possível, como cristãos.
No entanto, se algum (nazareno) for encontrado ‘judaizando’, que seja afastado de Cristo”. [Outras traduções dizem: “Que sejam anátemas a Cristo”].
[A Igreja da Roma Imperial; Concílio de Laodiceia sob o Imperador Constantino; Cânon 29, cerca de 336 d.C.]

Trezentos anos depois de Yeshua ter pregado e curado no Shabbat do sétimo dia, o Shabbat tinha sido oficialmente banido pela Igreja de Roma.

Seguindo o mesmo padrão geral, ao longo do tempo, a festa hebraica do Pésah também deu lugar à festa pagã da Páscoa (Ishtar). Primeiro, a data do Pésah foi deslocada do calendário hebraico do pôr-do-sol ao pôr-do-sol, para o calendário romano de meia-noite para a meia-noite. A data foi então alterada de 14 de Aviv ou Nisan (podendo ser qualquer dia da semana) para um domingo, que caiu em torno desse mesmo horizonte temporal geral. Depois o nome da festa foi mudado de Pésah para Páscoa, em honra da deusa-mãe babilônica Ishtar.

Uma crise surgiu no segundo século quando os bispos da Ásia decidiram manter o Pésah no calendário hebraico, como tinham sido ensinados pelos apóstolos Filipe e Yohanan (João). Isto é registado na história da Igreja como a famosa ‘Controvérsia Quartodecimana’ do século II.

O padre da Igreja Eusébio regista que a controvérsia Quartodecimana estalou quando o bispo Victor de Roma começou a insistir que todas as assembleias deviam celebrar Pésah num domingo (no calendário romano), em vez de no 14 de Aviv (no hebraico).

Uma questão de não pequena importância levantou-se nessa altura. Para as paróquias de toda a Ásia, como de uma tradição mais antiga, sustentava que o décimo quarto dia da lua, em que os judeus eram obrigados a sacrificar o cordeiro, devia ser observado como a festa da Páscoa do Salvador… Mas não era costume das igrejas no resto do mundo… Mas os bispos da Ásia, liderados por Policratas, decidiram manter o antigo costume que lhes foi transmitido. Ele próprio, numa carta que dirigiu a Victor e à Igreja de Roma, expôs com as seguintes palavras a tradição que lhe tinha chegado. (Eusébio, História da Igreja, Livro V, Capítulos 23, 25, cerca de 190-195 d.C.)

Eusébio também reproduz a carta que Policratas, uma figura importante na Ásia, escreveu pessoalmente ao Bispo Victor de Roma, protestando contra a decisão do Bispo Victor de mudar a data de Pésah de 14 de Aviv, para um domingo. Policratas aponta que a tradição de manter Pésah no calendário hebraico tinha sido dada na Ásia pelos próprios apóstolos Filipe e Yohanan, e que a tradição tinha sido mantida na Ásia ao longo de gerações, por um certo número de crentes distintos e devotos. Policratas então insistiu que todos os crentes deveriam fazer como dizem as Escrituras, em vez de aceitarem uma tradição feita pelo homem.

Observamos o dia exato; nem acrescentando, nem retirando. Pois na Ásia também grandes luzes adormeceram, as quais ressuscitarão no dia da vinda do Senhor, quando ele vier com glória do céu, e procurar todos os santos. Entre estes estão Filipe, um dos doze apóstolos, que adormeceu em Hierápolis; e as suas duas filhas virgens idosas, e outra filha, que viveu no Espírito Santo e agora repousa em Éfeso; e, além disso, João, que foi simultaneamente testemunha e mestre, que se inclinou sobre o seio do Senhor, e, sendo sacerdote, usava a placa sacerdotal. Adormeceu em Éfeso. E Policarpo em Esmirna, que foi bispo e mártir; e Traseas, bispo e mártir de Eumenia, que adormeceu em Esmirna. Por que mencionar o bispo e mártir Sagaris que adormeceu em Laodiceia, ou o abençoado Papirius, ou Melito, o Eunuco que viveu totalmente no Espírito Santo, e que jaz em Sardis, à espera do episcopado do céu, quando ele ressuscitará dos mortos? Todos estes observaram o décimo quarto dia da Páscoa de acordo com o Evangelho, não se desviando em nenhum aspeto, mas seguindo a regra da fé. E eu também, Policratas, o menor de todos vós, faço de acordo com a tradição dos meus familiares, alguns dos quais tenho seguido de perto. Pois sete dos meus familiares eram bispos; e eu sou o oitavo. E os meus familiares observavam sempre o dia em que as pessoas guardavam o fermento. Eu, portanto, irmãos, que vivi sessenta e cinco anos no Senhor, e me encontrei com os irmãos em todo o mundo, e passei por todas as Escrituras Sagradas, não estou assustado com palavras aterradoras. Para aqueles maiores do que eu disse: “Devemos obedecer a Deus e não ao homem”.
[Eusébio, História da Igreja, Livro V, Capítulo 24. Traduzido por Arthur Cushman McGiffert. Extraído de Nicene e Post-Nicene Fathers, Série Dois, Volume 1].

Apesar de as assembleias da Ásia terem aprendido a manter Pésah no calendário hebraico, o bispo romano Victor decidiu excomungar todas as assembleias que não concordassem em realizar a Pésah num domingo, no calendário romano. Enquanto isto desagradou muito a muitos dos outros bispos (que sabiam o que Policratas dizia ser verdade), o poder do bispado romano prevaleceu sobre as Escrituras. Por muito triste que fosse, a unidade foi preservada na igreja, embora com falsas pretensões, e em dias de falsas festas. A prática de realizar a Pésah no dia 14 de Aviv (no calendário hebraico) acabou por ser conduzida à clandestinidade, e inúmeros estudantes do seminário foram ensinados desde então que a Controvérsia Quartodecimana era apenas um exemplo do direito da Igreja de mudar os dias de festa para longe do ordenado nas Escrituras.

Como explicamos no estudo Israel Nazareno, O poder começou a ser centralizado no bispado de Roma imediatamente após a destruição de Jerusalém, e a morte dos apóstolos. O bispo romano começou a decretar que os símbolos pagãos e os dias de festa pagã poderiam ser “santificados”, ainda que isto fosse uma violação direta da Torá, o que nos diz para evitarmos todas as imagens religiosas não-comandadas, e é muito claro que não devemos adorar Yahweh à maneira das outras nações do mundo.

Devarim (Deuteronômio) 12:1-4
1 “Estes são os estatutos e os juízos que terás o cuidado de observar na terra que Yahweh Elohim dos teus pais te está a dar para possuíres, todos os dias que viveres na terra.
2 Destruireis totalmente todos os lugares onde as nações que despojareis serviram os seus deuses, nas altas montanhas e nas colinas e debaixo de cada árvore verde.
3 E destruireis os seus altares, quebrareis os seus pilares sagrados, e queimareis com fogo as suas imagens de madeira; cortareis as imagens esculpidas dos seus deuses e destruireis os seus nomes daquele lugar.
4 Não adorareis Yahweh o vosso Elohim com tais coisas”.

Apesar do aviso severo de Yahweh, o calendário continuou a derivar para a adoção de dias de festa pagã. Embora a formulação exata não seja preservada, durante o Concílio de Niceia (cerca de 326 d.C.), a Igreja romana decidiu que o Pésah seria celebrado em todo o mundo no domingo que se seguiu ao 14º dia da “lua pascal”. Contudo, a lua só seria considerada ‘pascal’ se o dia 14 depois da “lua pascal” caísse após o Equinócio da Primavera, apesar de o Equinócio nunca ser mencionado nas Escrituras. Este foi claramente um exemplo do povo de Yahweh que escolheu adorá-lo em dias da sua própria concepção.

Na linguagem da Escritura, a prova da fé é a obediência. Yahweh sabe que acreditamos Nele quando fazemos o que Ele manda. Contudo, se decidirmos guardar dias de adoração que são determinados pela observação do sol, da lua, das estrelas e do exército dos céus, então Yahweh considera que estamos a adorar (ou “servir”) o sol, a lua, as estrelas e ao exército dos céus. Yahweh adverte-nos severamente contra isto, e diz-nos que esta é a prática que Ele tem dado a todas as outras nações do mundo.

Devarim (Deuteronômio) 4:19
19 “E atenção, para que não levanteis os olhos ao céu, e quando vedes o sol, a lua e as estrelas, todas as hostes do céu, sentis vos impulsionados a adorá-los e a servi-los, o que Yahweh vosso Elohim deu a todos os povos sob todo o céu como herança”.

É natural que os homens queiram observar os movimentos do sol, da lua e das estrelas. O sol traz calor, e ajuda as nossas colheitas a crescer. A lua e as estrelas brilham maravilhosamente à noite, e ajudam a guiar os movimentos dos navios. É tão natural adorar e servir os movimentos destes corpos celestes que as festas em honra destas coisas se encontram em culturas de todo o mundo (ou seja, “todas as pessoas debaixo de todo o céu”). No entanto, porque Yahweh não nos mandou guardar estes dias de festa, Ele considera-os idólatras, e se insistirmos em observar estes dias de festa, apesar de Ele nos ter dito para não o fazermos, Ele considera-nos idólatras.

Temos de nos lembrar que Yahweh está nos céus, e nós estamos aqui na terra. Yahweh tem uma perspectiva diferente sobre as coisas do que nós. Por vezes pode ser muito difícil para nós compreender, ou aceitar a Torá, mas é evidente que Yahweh não nos permite estabelecer novos dias de festa próprios; e que se o tentarmos fazer, haverá consequências extremas.

Em Êxodo 32, lemos sobre o infame episódio com o Bezerro de Ouro.

Shemote (Êxodo) 32:4-5
4 E ele recebeu o ouro de sua mão, e ele fez com uma ferramenta de gravação, e fez um bezerro moldado. Depois disseram: “Este é o teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito”!
5 Então, quando Arão viu, ele construiu um altar antes dele. E Arão fez uma proclamação e disse: “Amanhã é uma festa para Yahweh”.

Note-se que embora Arão tenha declarado que a festa era em honra de Yahweh, Yahweh não se sentiu honrado. Em vez disso, ficou furioso pôr o Seu povo guardar dias de festa que Ele não comandava.

Por que razão, então, tantos crentes querem manter festas que não são ordenadas na Escritura? A única razão pela qual a palavra ‘Páscoa’ aparece na Versão King James é que foi mal traduzida da palavra grega ‘Pas-ha’ (πασχα), que significa Páscoa. Este erro foi corrigido em quase todas as outras traduções importantes desde a Versão King James, mas a prática de observar a Páscoa permanece forte dentro da Cristandade.

Quando traduzimos corretamente Atos 12:4, vemos que o povo ainda estava a celebrar a Pésah no primeiro século.

Atos 12:4
4 Assim, quando o prendeu, colocou-o na prisão, e entregou-o a quatro esquadrões de soldados para o manterem, com a intenção de o levar perante o povo após Pésah.
TRG Atos 12:4
ὃν καὶ πιάσας ἔθετο εἰς φυλακήν, παραδοὺς τέσσαρσι μετὰ τετραδίοις στρατιωτῶν φυλάσσειν αὐτόν, βουλόμενος τῷ τὸ πάσχα ἀναγαγεῖν αὐτὸν τῷ λαῷ.

Sabemos que os nazarenos mantiveram as observâncias ‘judaicas’ até ao século IV d.C. No entanto, a maioria da Igreja cristã só começou a observar a Páscoa em 190-195 d.C., quando o Pésah foi levado para o subsolo nos dias dos Policratas e do Bispo Romano Victor (acima).

Além disso, note-se que o Apóstolo Shaul não nos diz para celebrar a Páscoa, mas sim para celebrar a Festa dos Pães ázimos (que é uma continuação da Pésah).

Qorintim Alef (1 Coríntios) 5:8
8 Portanto, mantenhamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da malícia e da maldade, mas com o pão ázimo da sinceridade e da verdade.

Como segunda testemunha, Atos 20:6 mostra-nos que os discípulos ainda guardavam os Dias dos Pães sem Fermento muitos anos após a ressurreição de Yeshua.

Maasei (Atos) 20:6
6 Mas navegamos de Filipos após os dias dos Pães sem Fermento…

Sabemos também que o Apóstolo Shaul continuou a observar a Festa Israelita do Pentecostes no calendário hebraico.

Qorintim Alef (1ª Coríntios) 16:8
8 Mas permanecerei em Éfeso até Pentecostes….

Sabemos que Shaul manteve Pentecostes no calendário hebraico (e não no cristão romano) porque subiu a Jerusalém (e não a Roma).

Maasei (Atos) 20:16
16 Pois Shaul tinha decidido velejar por Éfeso, para não ter de passar tempo na Ásia; pois estava apressado para estar em Jerusalém, se possível, no Dia de Pentecostes.

Em Atos 27:9, os discípulos celebraram o Dia da Expiação, embora muitos anos depois de Yeshua já ter sido ressuscitado. O Dia da Expiação é aqui chamado ‘o Jejum’, porque é tradicionalmente observado através do jejum.

Maasei (Atos) 27:9-10
9 E, passado muito tempo, e sendo agora perigosa a navegação, pois o Jejum já tinha acabado, Shaul aconselhou-os,
10 dizendo: “Homens, percebo que esta viagem terminará com desastre e muitas perdas, não só da carga e do navio, mas também das nossas vidas”.

A viagem foi “agora perigosa” porque o Dia da Expiação tem lugar no sétimo mês, quando o tempo muda do Verão para o Inverno. As viagens de barco no Mediterrâneo podem ser tempestuosas no Inverno, e por isso são perigosas. No entanto, a questão aqui é que os apóstolos ainda estavam a guardar os dias de festa encontrados na Torá, e não os dias de festa romanos convertidos.

Yahweh abençoa aqueles que celebram as suas festas.

Maasei (Atos) 2:1-2
1 Quando chegou o dia de Pentecostes, estavam todos juntos no mesmo lugar.
2 E de repente veio do céu um som como de um vento violento e impetuoso, e encheu toda a casa onde eles estavam sentados.

Pelo menos algumas das bênçãos associadas à manutenção dos seus dias de festa ainda estão para vir, no futuro. Em Colossenses 2:16-17, o Apóstolo Shaul diz-nos que o Shabbat, as festas e os Dias de Lua Nova são todas sombras de coisas “ainda por vir”. Isto significa que tal como Yahweh derramou bênçãos sobre aqueles que estavam a guardar os Seus dias de festa no passado, Yahweh derramará ainda mais bênçãos sobre aqueles que ainda estão a guardar os Seus dias de festa no futuro. No entanto, o verdadeiro significado das Escrituras perde-se na maioria das versões principais, incluindo a Versão King James.

Note-se como a Versão King James fornece duas palavras em itálico (dias e é), que não existem no grego; e como estas duas palavras invertem o verdadeiro significado da passagem.

Colossenses 2:16-17, KJV
16 Que ninguém vos julgue em comida, ou em bebida, ou em relação de dias de festa, ou das luas novas, ou dos dias de Shabbat:
17 Que são uma sombra das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo.
TRG Colossenses 2:16-17
16 Μὴ οὖν τις ὑμᾶς ὑμᾶς κρινέτω ἐν βρώσει σαββάτων ἢ ἐν πόσει ἢ ἐν μέρει νεομηνίας ἑορτῆς ἢ νεομηνίας ἢ σαββάτων,
17 ἅ ἐστι σκιὰ τῶν τῶν μελλόντων, τὸ δὲ σῶμα τοῦ Χριστοῦ

Por acrescentar as palavras em itálico (dias) e (é), a Versão King James (KJV) leva o leitor a concluir que não devemos deixar que ninguém nos diga o que comer, o que beber, ou que dias de adoração guardar. Se aceitarmos estas palavras adicionais pelo seu valor facial, podemos facilmente concluir que não faz qualquer diferença se guardamos o Shabbat e os dias de festa, ou se adoramos no Domingo, Natal, Ano Novo Chinês, Ramadão, ou mesmo nenhum dia de festa. Outras traduções fazem alterações semelhantes ao texto, e estas alterações geralmente ajudam a promover a ideia de que Yeshua veio realmente abolir a Torá e os Profetas, ao contrário da Sua própria declaração em Mateus 5:17-19.

A Escritura, contudo, é muito clara quando diz que não devemos acrescentar nada às Suas palavras, nem retirar nada (por exemplo, Deuteronômio 4:2, Provérbios 30:6, etc.). Portanto, uma vez que nos apercebemos de que as palavras fornecidas “dias” e “é” não aparecem nos textos originais, devemos retirá-las das traduções inglesas.

Aqui está exatamente a mesma passagem da KJV, mas com as palavras fornecidas “dias” e “é” removidas:

Portanto, Que ninguém vos julgue em comida, ou em bebida, ou em relação de dias de festa, ou das luas novas, ou de Shabbat; que são uma sombra das coisas vindouras; mas o Corpo de Cristo.

Se lermos cuidadosamente esta passagem, podemos ver que há aqui três ideias principais (1-2-3):

1. Que ninguém vos julgue em comida, ou em bebida, ou em relação de dias de festa, ou das luas novas, ou de Shabbat;
2. que são uma sombra (profética) das coisas (ainda) por vir;
3. mas o Corpo do [Messias].

Parafraseando, o Apóstolo Shaul está a dizer-nos:

1. Que ninguém te julgue em relação à comida que comes, ao que bebes, ou aos dias de festa religiosa que celebras;
2. Porque estas comidas, bebidas e dias de festa são todas sombras proféticas de coisas ainda por vir;
3. Portanto, que só o Corpo do Messias te diga o que comer, o que beber, e que dias festivos guardar!

Se reorganizarmos as cláusulas para que em português se leia melhor (3-1-2), podemos ver que o que o Apóstolo Shaul estava realmente a dizer era que não devíamos deixar ninguém a não ser o Corpo do Messias julgar-nos no que comemos, no que bebemos, e em que dias de festa guardamos, porque estas coisas são todas sombras de bênçãos proféticas ainda por vir.

[Colossenses 2:16-17, reordenados]

Que nenhum homem (exceto o Corpo do Messias) vos julgue em comida, ou em bebida, ou a respeito de dias de festa, ou das luas novas, ou do Shabbat; pois as festas são sombras de coisas (ainda) por vir.

O verdadeiro significado do que Shaul disse também não está refletido na NVI. (Nova Versão Internacional)

16 Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa, ou à celebração das Luas Novas ou dos dias de Shabbat.
17 Estas coisas são sombras do que haveria de vir, a realidade, porém, encontra-se em Cristo.
[Colossenses 2:16-17, NVI]

A Versão King James, a NVI, e a maioria das versões cristãs principais apoiam essencialmente a velha hipótese gnóstica: desde que se saiba que Yeshua é o Messias, não faz diferença que dias de adoração se guardam, porque as festas são apenas sombras das coisas que “estavam” por vir. Contudo, isto está longe de ser o verdadeiro significado de Shaul.

A ideia de que os alimentos que comemos e os dias de festa que guardamos são sombras proféticas importantes de coisas ainda por vir, não teve origem com o Apóstolo Shaul. Os judeus há muito tempo dizem que os grandes eventos proféticos tipicamente caem nos dias de festa de Israel.

Quando Yahweh derramou o dom do Espírito sobre o Pentecostes, os fiéis ainda precisavam de estar no Templo em Jerusalém para receberem esse dom. Se a ressurreição de Yeshua marcou realmente o fim da Torá e dos Profetas, como alguns grupos afirmam, então por que é que os fiéis ainda precisavam de estar no Templo no Pentecostes? Porque é que o Espírito não foi derramado noutro lugar, e noutra altura, como no Natal, em Roma?

Alguns teólogos dizem-nos que embora os Apóstolos continuassem a celebrar as festas de Yahweh, a razão pela qual agora celebramos o Domingo, o Natal e a Páscoa é que a ressurreição de Yeshua marcou o início de um período de mudança de três a quatrocentos anos, no qual a Igreja estaria autorizada a fazer todo o tipo de mudanças radicais na fé. No entanto, esta tese é muito curiosa, considerando que estas alegadas mudanças nunca foram profetizadas em parte alguma das Escrituras, e considerando também quantas vezes Yahweh advertiu severamente aqueles que O temiam para não guardar outros dias de festa.

A Torá é uma codificação do Espírito de Yahweh, dada como uma lista de instruções (o que fazer e o que não). Pelo menos de acordo com a tradição judaica, estas instruções foram dadas pela primeira vez a Israel no Monte Sinai no Pentecostes, cinquenta dias após o primeiro Pésah. Então, milhares de anos mais tarde, o próprio Espírito foi derramado sobre os fiéis no Pentecostes. A diferença foi que desta vez, em vez de apenas dar uma codificação do Espírito, Yahweh deu o dom do Seu próprio Espírito. Assim, na realidade, já houve pelo menos duas realizações da Festa do Pentecostes, e Colossenses 2:16-17 dizem-nos que há mais a caminho.

O padrão na Escritura é um dos repetidos cumprimentos das festas. Os Filhos de Israel já cumpriam a Festa de Tabernáculos quando habitavam em tabernáculos (ou cabanas) no deserto no Sinai. O segundo cumprimento veio quando Yeshua nasceu.

A maioria dos cristãos foram ensinados que Yeshua nasceu um 25 de dezembro. No entanto, Yeshua não poderia ter nascido no Inverno, porque Lucas 2:8 mostra-nos que havia pastores que vigiavam os seus rebanhos naquela época.

Luqa (Lucas) 2:7-8
7 E deu à luz o seu Filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.
8 Havia no mesmo país pastores que viviam nos campos, vigiando o seu rebanho durante a noite.

Em Israel, os rebanhos não são tipicamente deixados a pastar no Inverno. Por conseguinte, este evento teve de ocorrer algum tempo antes do Inverno ter começado, e os rebanhos foram aprisionados. Isto exclui de fato o mês de dezembro.

Como mostraremos no capítulo sobre Hanukka, Yeshua foi concebido em pleno Inverno (provavelmente durante a época de Hanukka), e nasceu cerca de nove meses mais tarde, no sétimo mês, no primeiro dia da Festa de Tabernáculos. De um ponto de vista profético, faz perfeito sentido que Yeshua nascesse no primeiro dia da Festa de Tabernáculos, porque Ele estaria a cumprir o primeiro dia da Festa de Tabernáculos. Poderá ser por isso que Yohanan (João) nos diz que a Palavra se tornou carne, e habitou entre nós?

Yohanan (João) 1:14
14 E a Palavra tornou-se carne e habitou entre nós….

A palavra ‘habitou’ é a palavra grega skenoo, Strong’s G:4637, que significa, ‘a tuberculinizar’.

G:4637 skenoo (skay-no’-o); de G:4636; para tenda ou acampamento, ou seja (figurativamente) para ocupar (como mansão) ou (especificamente) para residir (como Deus fez no Tabernáculo na antiguidade, um símbolo de proteção e comunhão):

Essencialmente, então, o que Yohanan (John) estava a dizer era:

Yohanan (João) 1:14 [interpretado]
14 E a Palavra tornou-se carne e tuberculinizo entre nós….

Em Levítico 23, Yahweh ordena que todos os israelitas nativos que vivem na Terra de Israel façam uma peregrinação a Jerusalém três vezes por ano. Uma destas três peregrinações anuais é a Festa dos Tabernáculos. Durante esta festa, todo Israel deve habitar em tabernáculos (habitações temporárias) durante sete dias. Em hebraico, estas habitações temporárias são chamadas Sukkot. Em português, são muitas vezes chamadas ‘cabanas’.

Vayiqra (Levítico) 23:42
42 Ficarás em cabanas durante sete dias. Todos os que são israelitas nativos habitarão em cabanas….

A decisão rabínica do primeiro século foi provavelmente idêntica à decisão rabínica de hoje, que é a de que, por razões de saúde e segurança, qualquer pessoa que esteja doente, velha ou grávida não tem de ficar num tabernáculo, mas pode alugar um quarto numa estalagem. Contudo, apesar de Miriam estar grávida, não havia lugar na estalagem. Por conseguinte, José e Míriam tiveram de habitar num tabernáculo (ou numa cabana, ou numa “manjedoura”), em conformidade com o Levítico 23. Embora isto pudesse ter parecido uma reviravolta para José e Míriam, tudo isto aconteceu para que Yeshua pudesse nascer numa habitação temporária (um tabernáculo) no primeiro dia da Festa de Tabernáculos, em cumprimento profético da festa.

Mas embora Yeshua tenha sido o segundo cumprimento da Festa de Sukkot (Tabernáculos), Zacarias 14 diz-nos que haverá ainda um terceiro cumprimento.

Zacarias 14:16-17
16 E acontecerá que todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém subirão de ano para ano para adorarem o Rei, Yahweh dos Exércitos, e para celebrarem a Festa de Tabernáculos.
17 E será que qualquer das famílias da terra que não subir a Jerusalém para adorar o Rei, Yahweh dos Exércitos, sobre elas não haverá chuva.

Há mesmo um quarto cumprimento profetizado, no Livro do Apocalipse:

Hitgalut (Apocalipse) 21:3-4
3 E ouvi uma grande voz do trono, que dizia: “Eis que o tabernáculo de Elohim está entre os homens, e Ele habitará entre eles, e eles serão o Seu povo, e o próprio Elohim estará entre eles,
4 e Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte; não haverá mais luto, ou choro, ou dor; as primeiras coisas já passaram”.

Isto mostra-nos porque é que o Apóstolo Shaul nos avisou para não deixarmos que ninguém a não ser o Corpo do Messias nos dissesse que dias de adoração devemos guardar. É porque são imagens proféticas de sombras de bênçãos maravilhosas que ainda estão por vir.

If these works have been a help to you in your walk with Messiah Yeshua, please pray about partnering with His kingdom work. Thank you. Give