Chapter 1:

Qual Foi a Fé Original ?

This post is also available in: English Español Deutsch Indonesia српски Français Nederlands

“Esta é uma tradução automática. Se você quiser nos ajudar a corrigi-la, pode enviar um e-mail para contact@nazareneisrael.org.”

Deseja manter a fé que o Messias ensinou seus Apóstolos guardar ? Algumas pessoas se equivocam afirmando que os discípulos do Messias foram todos “Cristãos”, mas, será realmente isso que mostram os registros bíblicos ?

O que significaría para você se a Biblia mostrasse que o Messias e seus discípulos se consideravam Israelitas Nazarenos, e os “Cristãos” foram um grupo totalmente destinto ?

Um dos Pais da Igreja mais influentes de todos os tempos foi Epifanio de Salamis. Viveu 310 a 403 d.C. Ele disse que os Nazarenos e os Cristãos eram dois grupos separados (porém relacionados) que mantiam duas fé similares (mais diferentes) no século IV DC (assim é como segue sendo hoje em dia)

“Os Nazarenos não difierem em nada essencialmente deles [os Judeos Ortodoxos], já que praticam os costumes e doutrinas prescritas pela lei Judaica; Exceto que creem em Cristo. Eles creem na resurreção dos mortos, e que o universo foi criado por Deus. Eles pregão que Deus é Um, e que Jesus cristo é Seu Filho. São muito eruditos na lingua hebraica. Eles leem a Lei [A Lei de Moisés] …. Por tanto, diferem … dos verdadeiros Cristãos porque realizam até agora [tales] ritos Judaicos como a circuncisão, o Shabbat e outros”. [Epifanio de Salamina, “Contra as heresias”, Panarion 29, 7, pp. 41, 402]

Em Panarion (Contra as Heresias), Epifanius (Epifanio) trata de demostrar que os Católicos eram os verdadeiros descendentes dos apóstolos do primeiro século (Tiago, João, Pedro, Paulo, e outros). Ainda que a idéia de Epifanio foi amplamente aceita em seus dias, muitos outros eruditos Católicos tem estado em desacordo com ele desde então.

Entre os que não estavam de acordo com Epifanio estava Marcel Simón, um erudito Católico na congregação do primeiro século. Marcel Simón, disse que Epifanio sabía que não era os Católicos, se não os Nazarenos os que eram os verdaderos descendentes da assembléia do primeiro século. Porém, Marcel Simón chamava os Nazarenos “hereges” porque dizia que a Igleja Católica não gostava das suas doutrinas.

“[Os Nazarenos] se caracterizam essencialmente pelo seu tenaz apego as observanças judaicas. se tornaram hereges aos olhos da igreja mãe, simplesmente por que permanecem fixos em posicionamentos antiquados., ainda que Epifânio esteja energeticamente negando em admitir, aos descendentes diretos dessa comunidade primitiva, da qual nosso autor [Epifânio] sabe que foi designado pelos judeos, com o mesmo nome, de “nazarenos”.
[Erudito do primeiro século Marcel Simón, Judeo-cristianismo, pp. 47-48.]

Observe como Marcel Simón reconheceu que os Nazarenos eram os descendentes espirituais dos apóstolos do primeiro século (Yaakov [Tiago], João, Pedro, e outros), e ainda assim chamava os Nazarenos “hereges” porque eles realmente lutaram pela fé que uma vez foi entregada aos santos, como disse em Judas 3.

Yehudah (Judas) 3
3 Amados, enquanto me preparava com grande expectativa para vos escrever acerca da salvação que compartilhamos, senti que era necessário, antes de tudo, encorajar-vos a batalhar, dedicadamente, pela fé confiada aos santos de uma vez por todas.

Porém, como pode Marcel Simón chamar os Nazarenos “hereges” por obedecer Judas 3 ?, Somos “hereges” se fazemos o que a Escritura diz ? Não são os verdadeiros hereges os que ensinam contra o que diz a Escritura ?

Se os Nazarenos eram os descendentes espirituais diretos dos apóstolos judeos, faz sentido que mantivessem “esses ritos judaicos como o Shabbat, a circuncisão, e outros,” porque no seu primeiro sermão o Messias Yeshua (Jesús) nos disse que “não penseis” que vim para acabar com as Leis de Moisés ou os profetas.

Mattityahu (Mateus) 5:17-19
17 Não penseis que vim abolir a Lei ou os Profetas. Eu não vim para abolir, mas para cumprir.
18 Com toda a certeza vos afirmo que, até que os céus e a terra passem, nem um I ou o mínimo traço se omitirá da Lei até que tudo se cumpra.
19 Qualquer, pois, que violar um destes menores mandamentos e assim ensinar aos homens será chamado o menor no Reino dos Céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no Reino dos Céus.

É importante notar que Yeshua nos disse que não deveríamos crer que Ele veio abolir a Lei. Sendo um bom filho, Yeshua não teria desobedecido a seu Pai Yahweh (YeJoVaH), o qual nos advertiu a ter cuidado de não inserir ou tirar nada das Lei de Moisés.

Devarim (Deuteronômio) 12:32
32 Portanto, aplica-te a pôr em prática tudo o que eu te ordeno. Nada acrescentarás e nada tirarás da Lei.

Comumente pensamos que as Leis de Moisés foram abolidas, devido que algumas passagens do Pacto Renovado (Novo Testamento) não são fácilmente compreensivéis. Muitos dessas passagens mal entendidas se encontram nos escritos do apóstolo Paulo (Shaul). Porém, o apóstolo Pedro (Kepha) nos adverte, para que não interpretemos errado.

Kepha Bet (2 Pedro) 3:15-16
15 Considerai que a longanimidade do nosso Senhor é uma oportunidade para que possais receber a Salvação, assim como o nosso amado irmão Paulo também vos escreveu, de acordo com a sabedoria que Deus lhe concedeu.
16 Ele escreve do mesmo modo em todas as suas epístolas, discorrendo nelas sobre esses assuntos, nas quais existem trechos difíceis de entender, os quais são distorcidos pelos ignorantes e insensatos, como fazem também com as demais Escrituras para a própria destruição deles.

Perceba que no versículo 16, Kepha nos diz que havía um grupo de crentes que, em seus dias, eram “ignorantes e instavéis”, E que estes destorciam as palavras de Shaul para fazer crer que dizia algo que não disse.

Nesse versiculo 17 Kepha nos adverte de sermos guiados por ele “erro dos Sem Lei.” a versião King James [ e também a versão Almeida em Português] indica isto como o “erro dos iniqüos”, mais a Concordância Strong’s nos diz que esta palavra tem a ver com a promulgação ou a instituição de algo (como uma religião substituta), que é contraria a la Lei (de Moisés).

G113 de G1 (como partícula negativa) e um derivado de G5087 (no sentido de imponer); sem lei, i.e. (por implicação) criminal: iniqüo, iniqüa, malvado, malvada.

A Peshitta Aramaica (NT) também está de acordo de que temos que cuidar de não irmos atrás dos erros daqueles que não tem as Leis de Moisés (Arameo: דדלא נמוס).

Kepha Bet (2 Pedro) 3:17 Murdock Peshitta
17 mais vocês, amados irmãos, que ja sabem tudo isto, cuidem-se de não ser arrastados pelos erros desses sem-lei, para que não caiam de vossa própria firmeza.

Nesse contexto, Kepha nos diz que ouve uma falsa fé em seus días, que interpretaram mal a Shaul dizendo que ele pregou contra as leis de Moisés. Não é isso que fazem os cristãos de hoje ?

O Arcebispo Cardial James Gibbons nos disse que a Escritura “impõe a observância religiosa do sábado”, mais conta com orgulho que a Igreja proclamou o Domingo como o dia de adoração.

“Mais vocês podem ler la Biblia de Gênesis a Apocalipse, e não encontrará uma só linha que autorize a santificação do Domingo. As Escrituras impõem a observânça religiosa do Sábado, é um dia que nós (a Igreja Católica) nunca santificamos”.
[Arcebispo James Cardinal Gibbons, The Faith of our Fathers, 88th ed., pp. 89.]

O Reverendo Stephen Keenan nos disse que a Igreja Católica tinha o poder de mudar os dias de adoração, ainda que a Escritura nunca lhes deu esta autoridade.

“Pergunta: Você tem alguma outra maneira de provar que a Igreja tem poder para instituir festas ou mandamentos?”
Resposta: Se não tivesse tal poder, não poderia ter feito isto, pelo qual todos os religiosos modernos estão de acordo com ela (a igreja Católica), ela não poderia ter sustituido a observância do Domingo, primeiro dia da semana, pela observânça do Sábado, o sétimo dia, uma mudança pela qual não tem autoridade bíblica.”
[Reverendo Stephen Keenan, A Doctrinal Catecismo, 3rd ed., p. 174.]

O argumento de Stephan Keenan não é estranho ? Alega que a Igreja deve ter o poder de mudar os dias de adoração só porque o fez.

O profeta Daniel nos adverte acerca de un Chifre Pequeno que tentaria mudar os tempos sinalizados de adoração (de sábado para domingo), e que também tentaria mudar a Lei de Moisés (que regula a conduta do resto de Corpo).

Daniel 7:25
25 Proferirá palavras contra o Altíssímo, e consumirá os Santos do Altíssímo, e cuidará em mudar os tempos (festas) e a lei (de Moisés), e os Santos lhe serão entregues em suas maõs durante um tempo, e tempos, e metade de um tempo.

Tal como veremos mais adiante nesse estudo, isto foi o que fez la Igreja Católica. Mudou os tempos marcados de adoração e também perseguiram os Santos do Altíssímo (que dizer, os Nazarenos) que mantinham os tempos de festa originais e a Lei de Moisés. Mais, porventura não é um pecado mudar a Escritura ?

If these works have been a help to you and your walk with our Messiah, Yeshua, please consider donating. Give